Habilidade Musical pode auxiliar a leitura


Aprender a tocar um instrumento musical pode ajudar na aprendizagem? Poderia melhorar as notas na escola? É recorrente ouvirmos que quem toca um instrumento musical é muito melhor em matemática (e talvez até mais inteligente do que aqueles que não tocam).

No Departamento de Psiquiatria da Unifesp um estudo, coordenado pelo Professor Jair de Jesus Mari e o aluno de doutorado Hugo Cogo Moreira, visa a verificar quais são os efeitos do aprendizado musical em crianças que têm dificuldade de leitura. O estudo foi realizado com 235 crianças de 10 escolas de regiões carentes da cidade de São Paulo, e foi financiada pelo CNPq e pelo Instituto ABCD, OSCIP (Organização Social de Interesse Público) que apoia profissionais da saúde e educadores que trabalham com distúrbios de aprendizagem, especialmente a dislexia.

Estudos internacionais têm mostrado que algumas habilidades de percepção musical estão relacionadas a várias habilidades de leitura. Por exemplo, a decodificação (transforma letras em sons) e acurácia de leitura de texto (número de palavras certas por minuto lidas em um texto).

O estudo na Unifesp está em fase de análise de dados, mas, alguns achados preliminares, apontam que habilidades musicais podem predizer a habilidades de leitura.

Se os resultados desse estudo demonstrarem efeitos positivos para a leitura dessas crianças, estamos com a primeira evidência mundial comprovando que a educação musical pode aprimorar o desempenho escolar de alunos com dificuldades de leitura. Indicador este, que, no Brasil, infelizmente, ainda está abaixo do esperado em comparação a outros países desenvolvidos.

O estudo se destaca em uma área onde já existem muitas pesquisas, mas também muitos mitos sobre os reflexos do aprendizado musical em outros campos de conhecimento. De acordo Margarete Arroyo, professora de educação Musical da Unesp, “o que se observa é que se o trabalho com a música for bem conduzido, principalmente assegurando esse caráter integrador que a experiência promove, os alunos ganham além de competências e habilidades musicais, autoconfiança, autoestima e sociabilidade”. A consequência disse é que essas crianças e adolescentes podem vir a apresentar bons resultados em outros campos de atividades.

“Mas o que quero enfatizar é que praticar música tem valor em si mesmo; o objetivo não é outro além da própria experiência musical. O objetivo de se aprender música não é ajudar na matemática ou na aula de educação física, ou de história. Se há essa ajuda ela é consequência e não finalidade”, argumenta a professora Margarete Arroyo.

Primeiros sons

Quando um bebê ainda está dentro da barriga da mãe, seu primeiro contato com o mundo externo se dá por meios dos sons. E desde o nascimento a criança usa sons para se expressar, se comunicar. Elas aprendem a cantar com os pais, família, na escola e, havendo interesse, elas podem construir mais competências e habilidades musicais. É aí que aprender música passa a ser importante, para que a criança possa aprimorar suas potencialidades nesta área.

A Educação Musical, que também é um campo científico, tem indicado que mesmo antes do nascimento, os humanos já estão aprendendo música e continuarão a aprender na vida cotidiana. Esse aprendizado tem sido denominado “informal”. Mas o aprendizado formal pode se iniciar bem cedo, com meses de vida. Já existem muitos lugares especializados em aulas de música para bebês.

“As experiências musicais – escutar, cantar, tocar instrumento, criar com sons, dançar – são práticas humanas difundidas, mas extremamente complexas, conforme estudos da Psicologia da Música e da Neuromusicologia têm indicado. Envolve o corpo, movimentos, percepções, emoções, interações sociais, cognição. Como qualquer expressão artística, a música integra esses vários aspectos do ser”, explica a professora. Ou seja, a música é uma experiência integradora e por isso tem um enorme valor na formação e na vida das pessoas. Seus reflexos em outras áreas são consequência da prática.

Dicas

Para pais e professores que se interessarem pelo assunto:
Livro: ILARI, Beatriz. Música na infância e na adolescência: um livro para pais, professores e aficionados. Curitiba: Editora IBPEX, 2009.
Selo Lenga la Lenga especializado na produção de material didático para Educação Musical.

Por: Angélica Perez

Comentários

Mais Visitados